PANORAMA

Façamos aqui um pequeno mapa de como está o panorama da música erudita em Belém e se está faltando algum buraco a ser preenchido.
No ramo da música vocal temos o Coral Carlos Gomes que se ocupa do repertório vocal sacro e profano dos períodos medieval e renascentista com altíssimo nível vocal e regência exemplar da cubana Maria Antonia Jiménez, várias vezes premiado nacional e internacionalmente.
O grupo Concertos Espirituais lida com o repertório renascentista, barroco e clássico quer na música vocal quanto na instrumental. A lamentar somente as parcas apresentações do grupo.
O Coral Marina Monarcha lida exclusivamente com o coral operístico, sendo figurinha repetida no Festival de Ópera do Teatro da Paz, por um único detalhe: é o único coro operístico paraense. Tem Vanildo Monteiro a sua frente e ainda não ganhou uma noite somente dele no Festival por palermice dos produtores.
A Orquestra Sinfônica do Teatro da Paz lida com o repertório sinfônico clássico e romântico na maioria das apresentações. Mateus Araújo é o atual regente titular. Como não é órgão oficial do Estado pode acabar a qualquer momento. Basta o governador querer. E isto é o maior perigo a ser sofrido pela orquestra.
O Duo Pianístico da UFPA, formado pelas pianistas Lenora Brito e Eliana Cutrim, trabalham com o repertório camerístico para piano a quatro mãos. E que mãos!
Ana Maria Adade e Paulo José C. de Melo trabalham geralmente como pianistas acompanhadores.
Com a extinção da Orquestra de Câmera do Pará, o estado ficou sem um conjunto de câmera para trabalhar as composições específicas para essa formação nos repertórios barroco e clássico e no moderno novecentista da escola neoclássica.
Falta também um conjunto para trabalhar o repertório camerístico do modernismo musical novecentista e ampliar o alcance da OSTP para o repertório sinfônico do século XX.
Há pouco tempo, a EMUFPA formou o seu conjunto de percussão preenchendo a lacuna deixada pelo conjunto de percussão do conservatório Carlos Gomes que há tempos não dá as caras.
Falta um Quarteto de Cordas para trabalhar o repertório – vastíssimo - para essa formação. Haydn, Villa-Lobos, Schönberg, Webern, Debussy, Ravel, Beethoven, Mozart são alguns dos grandes compositores que se debruçaram sobre a forma.
O Quartetrio de Trombones é um conjunto que lida somente com a música para este instrumento, com composições originais e arranjadas. É interessante termos também um conjunto de metais para a execução do repertório “metaleiro” renascentista. O disco Música da corte de Jaime I é um bom trabalho sobre esse repertório. Como já está fora de catalogo há anos, só em sebos ou com algum amigo possuidor de uma cópia dá para conferir esse excelente disco.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESSA NEGRA FULÔ: ANÁLISE

FORMA E ESTRUTURA NA ÓPERA: CENA III - ESTRUTURAÇÃO DE UMA ÓPERA

Mozart: Bastião e Bastiana em português e com sotaque paraense