sábado, 18 de abril de 2009

O ENCERRAMENTO DO XXI FESTIVAL INTERNACIONAL DE MÚSICA DO PARÁ

E eis que o Festival de 2008 chega ao fim deixando controvérsia na opinião de uma pequena parte do público que não gostou do acúmulo de apresentações em horários amontoados, uns próximos aos outros. Neste festival tivemos 44 recitais e concertos em diversos horários o que acabou atrapalhando a audiência em vez de ajudá-la. Apresentações às 12:00, 16:00, 18:00, 19:00, 20:00, 22:00 e 0:00 horas ampliaram as opções, porém abriram muito o leque de apresentações, sobretudo, que quatro faixas de horários estão dentro do horário comercial, o que dificulta ainda mais o comparecimento do público acompanhante do Festival mas que só tem tempo na faixa noturna para assisti-lo, porque mesmo a faixa das 19:00 horas é difícil para eles, pois muitos estão saindo dos empregos e das escolas por volta das 18:30h.
A falta dos grupos estrangeiros que o público do Festival se acostumou a ver na programação pode, talvez, ter funcionado como repelente para aqueles que os esperavam no e que não acham atrativo um Festival internacional repleto de grupos locais e artistas brasileiros de quase nenhum renome entre nós. O melhor seria colocar dois recitais no mesmo horário como já foi feito anteriormente, e com sucesso. Mas para isso acontecer seria necessário trazer músicos de grande expressão, e público, como Sivuca, o Valerius Ensemble, o Coro Exaudi que estão entre os maiores sucessos de público do Festival. Um Festival bi temático também dificultou as coisas, pois assim ele ficou rachado no meio e as obras musicais com a natureza como temática não são freqüentes no repertório musical. Melhor seria tê-lo voltado somente para a música cinematográfica, que no fim das contas acabou sendo a temática mais visitada pelos músicos do Festival.

Nenhum comentário:

Postar um comentário