Romeu e Julieta no III Festival de Ópera da Amazônia

Nas noites de 14, 16 e 18 de agosto de 2009 deu-se as encenações da ópera de Gounod pelo III Festival Internacional de Ópera da Amazônia sediado no Teatro da Paz. Sendo honesto, foi uma boa montagem, embora nem todos os envolvidos com ela sejam merecedores do conceito bom, embora alguns, facilmente, obtenham o conceito excelente. Para aqueles que não foram ou não conseguiram ingresso para ir o elenco foi o seguinte:
Romeu: Atalla Ayan
Julieta: Isabelle Sabrié
Tebaldo: Márcio Carvalho
Mercúcio: Amadeu Gois
Conde Capuletto: Manuel Alvarez
Stefano: Lys Nardotto
Gertude: Bernadette Heyne
Frei Lourenço: Lício Bruno
Conde Paris: Milton Monte
Gregório: Nilberto Viana
Benvólio: Tiago Costa
Duque de Verona: Jefferson Luz
Coro Lírico do Festival
Orquestra Sinfônica do Teatro da Paz
Direção musical e regência: Enaldo Oliveira
Como se vê muitos paraenses no elenco. Isso mostra que já estamos caminhando para a auto-suficiência no campo operístico, mas ainda temos muito a caminhar, se quisermos, de fato, fazer ópera o ano inteiro ao invés de esperar os meses de agosto e setembro para assistirmos montagens operísticas. O nosso Festival já poderia estar maior, só não está sabe-se lá porque, tendo em vista que já temos outras montagens que muito bem poderiam ter sido reprisadas este ano. Ou será que o governo estadual acha que nós queremos que as montagens de Il Guarany, Gianni Schicci e as outras óperas sejam assistidas somente pelos fungos e traças do depósito onde elas estão guardadas?
Mas voltando para a tragédia dos amantes de Verona. Enaldo Oliveira, paraense até a pouco radicado nos Estados Unidos, está de volta à Belém para ser o substituto de Mateus Araújo na titularidade da Orquestra Sinfônica do Teatro da Paz. Começando em grande estilo, deu-nos uma leitura vigorosa da ópera do hedonista compositor francês. A platéia do Teatro da Paz não é o melhor lugar para se ouvir música: não ouvimos o som saído do fosso na plenitude que alcança no paraíso, deste modo é necessário por os ouvidos atentos a qualquer detalhe sonoro saído de lá.
Embora tenha problemas técnicos já bastante conhecidos e debatidos nos meios musicais belenenses, a OSTP faz bem o seu trabalho e o resultado final apresentado é sempre satisfatório. Com a regência de Enaldo Oliveira certamente ganhará novo fôlego. Enaldo fez uma leitura da 5ª Sinfonia de Beethoven muito superior a cansada e envelhecida leitura que Mateus Araújo nos apresentou na sua integral das sinfonias do rabugento compositor de Bonn. Fazendo uma comparação com o DVD lançado em bancas de revista no Brasil, onde se vê Roberto Alagna, Valentina Vaduva e o elenco do Convent Garden, sem medo, digo que a nossa montagem foi superior. Explicarei o porquê dessa afirmativa mais à frente.
A primeira certeza da nossa superioridade foi o coro preparado por Adamilson Abreu. Que coisa linda. CD nenhum é capaz de captar e reproduzir o som do coro deste Festival. O coro em Romeu e Julieta simplesmente arrasou. A dinâmica foi impecável. O som vigoroso. Apesar de não haver um oceano de coralistas no palco, pareceu um oceano de som entrava pelos meus ouvidos quando o coro cantava. Embora cenicamente a maioria dos integrantes do coro serem muito fracos na cênica (e isso, talvez, se deva a preparação cênica do coro), a compensação veio na voz. Muito bem preparados por Adamilson e contando-se com a experiência da maioria dos integrantes (que cantam não é de hoje), o coro conseguiu um verdadeiro som sinfônico.
A segunda certeza de superioridade está nas vozes masculinas do elenco: Manuel Alvarez, Atalla Ayan, Amadeu Gois, Lício Bruno foram impecáveis nas suas interpretações. Vozes bonitas, cheias, bem treinadas, luminosas na medida certa, prazerosas de se ouvir; e o que é melhor: vozes verdadeiras. Nada de barítonos que não parecem barítonos ou tenor se esguelando para cantar os agudos. Atalla Ayan, depois de cursos nos EUA e na Itália, está com a voz muito melhor que há um ano atrás e em franco crescimento. Agora posso afirmar que o Pará tem um outro grande tenor, um verdadeiro tenor (não esqueçamos de Reginaldo Pinheiro). Cantando também fora do Brasil, mas ainda em início de carreira, ele é o segundo dos nossos cantores com uma verdadeira carreira internacional. É claro que ainda falta muito para Atalla “chegar lá”; mas a partida já foi dada e ele estava na pole. Como Adriane Queiroz, Carmen Monarcha e Reginaldo Pinheiro já estão lá, é torcer para a carreira de Atalla crescer que assim teremos quatro grandes cantores levando o canto paraense para o mundo.
Manuel Alvarez, outra voz verdadeira, é um barítono com voz, corpo, aparência e postura de barítono. Falar o quanto Manuel é maravilhoso ao cantor acabará por se tornar uma redundância, já que isto é evidente ao vê-lo e ouvi-lo cantar. Presença cênica forte, voz que se ouve de longe. Foi um Lorde Capuleto pra lá de agradável. A partir de agora Festival Internacional de Ópera da Amazônia sem Manuel Alvarez não será um festival completo.
O Mercúcio de Amadeu Gois foi a terceira certeza da nossa superioridade em relação à gravação que me serve de base para este ensaio. O Mercúcio feito por Françoix Le Roux está muito abaixo de Amadeu pelo fato de Amadeu ser um outro barítono verdadeiro, enquanto que Le Roux (pelo menos neste DVD) mais parece um tenor com crise de barítono. Céus! Existe de tudo neste mundo. Arri égua!
Em um ponto nos comparamos com a montagem inglesa: tanto lá quanto aqui os intérpretes de Mercúcio foram muito fracos, embora o Tebaldo de Paul Charles Clarke não tenha sido tão desagradável quanto o feito por Márcio Carvalho; que ainda precisa tomar muitas pípulas de canto lírico para se curar da voz mal preparada e da desafinação. Como Milton Monte quase não abriu a boca não dá para falar nada; a não ser que ele foi impecável na interpretação do Conde Paris, que todos sabemos ser o maior otário das estórias de amor.
Valentina Vaduva bem que vale um ingresso com preço mais elevado, só para nos dar o prazer de ouvi-la cantar ao vivo. Se tivesse vindo teria nos poupado de ouvir Isabelle Sabrié, que apesar de ser bonita está longe de ter uma voz bonita e agradável. Soprano lírico de coloratura que não busca o brilho vocal e que nos agudos “nunca chega lá”; pois eles são opacos, sem ânimo, sem nada. Havia um bebezinho que só chorava quando ela cantava. Tadinho! Sem saber já está com um bom ouvido desde o colo. O opaco da sua voz ficava mais evidente quando ela cantava com Atalla, que cheio de garbo vocal, passou por cima dela em todas as tonalidades possíveis. Bernadette Heyne tem uma boa voz de mezzo, mas a escrita de Gounod não lhe permite mostra tudo o que tem de melhor. Mesmo caso ocorrido com Lyz Nardotto. Cantou o jovem Stefano e nem de perto parecia a Lyz de outros Festivais. Voz com pouco volume, opaca, sem causar nenhuma impressão. Todos nós sabemos que Lyz tem muito mais voz do que mostrou. Sabe-se lá o porquê disso ter acontecido. Mas nem tudo foi perdido. Ouvimo-la sim, mas sem o garbo vocal da Rainha da Noite ou mesmo de Gilda. Apesar do desempenho regular para fraco nesta noite, Lyz ainda é uma boa cantora que pela juventude só tem a crescer mais à frente. Ela é outra que deve estar no nosso Festival sempre para não deixá-lo incompleto.
Por fim o cenário preparado por Carlos Delarmelino Junior teve aquela aparência retrô que deixou as cenas com cara de século XIX. Dizem que o dinheiro foi pouco para esta montagem. Já que não tinha um caixa poupudo para gastar em cenários mais vistosos Carlos Delarmelino Junior jogou com a criatividade e com a inventividade e apresentou um cenário simples mais bastante funcional e com aparência de velho cenário reutilisado mais que ainda não perdeu seu interesse e assim ficou com um charme retro todo especial. Já os figurinos desenhados por Fernando Leite não chegaram lá de todo, sobretudo, a ridícula roupa desenhada para Julieta no 1º ato: aquelas mangas horrorosas mais pareciam asas de algum pássaro exótico que roupa de uma menina de 14 anos.

Comentários

  1. E falando em figurino, no geral(na minha modesta opinião) o figurinista não foi feliz, pois aqueles desenhos não são da Renascença. Concordas comigo???, o figurino esta mais para seculo XVIII que para renascença.
    Um beijo.
    Maria Antonia.

    ResponderExcluir
  2. Concordo contigo em quasi tudo, e tiro meu chapel para o Adamilson, fez muito bom trabalho, com um material vocal que ao contrario do que vc pensa,não é o elenco coral que estavas acostumado a escutar nos festivais, é um elenco novo quasi totalmente. Ele conseguiu fazer um trabalho digno, em tempo record. Meus Parabens para ele, assim como para o Atala que simplesmente ARRASOU!!!!!!!.Ja o Marcio!!!!,poxa!!!por essa eu não esperava.Foi ruim para ele e para nossos ouvidos.
    Beijos.
    Maria Antonia.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ESSA NEGRA FULÔ: ANÁLISE

FORMA E ESTRUTURA NA ÓPERA: CENA III - ESTRUTURAÇÃO DE UMA ÓPERA

Mozart: Bastião e Bastiana em português e com sotaque paraense