CORO CARLOS GOMES E O NATAL DE ANA JÚLIA

Teve início na noite de 10 de dezembro de 2009 o Natal para Todos promovido pelo atual governo estadual paraense de Ana Júlia Carepa. Com uma vertente social (doação de brinquedos, lençóis brancos etc.), o evento terá duração estendida até a Noite de Reis de 2010, ou seja, 6 de janeiro, usando música como chamariz de público: música popular, é claro.

Mas para deixar um pouco o populismo petista de lado, foi chamado para “abrir com chave de ouro”, nas palavras da apresentadora, o nosso Coro Carlos Gomes que fez uma apresentação com músicas do repertório popular e algumas do repertório tradicional como Adeste Fidelis. Para variar foi uma boa apresentação, mas sinceramente não gostei nenhum pouco da colocação do Coro dentro da programação.

Todos que estão acostumados a concertos de música popular sabem que as bandas que fazem a abertura desses concertos não passam do limbo musical, afinal de contas elas não estão ali para serem ouvidas. Estão ali somente para encher de música o intervalo antes da verdadeira e principal apresentação. Aquela banda, cantor ou trio elétrico que todos foram lá para ver e ouvir. Portanto, se eu estivesse na organização desse Natal para Todos nunca chamaria um coro medalha de ouro para fazer uma apresentaçãozinha de meia-hora, antecipando a apresentação de um astro da música popular brasileira. Ou mesmo qualquer outro astro. Se o Coro Carlos Gomes não for tratado com o tapete vermelho que merece, mesmo cheio de troféus, ele nunca chegará ao palco principal, pois se ele não tem tratamento vip dentro do circuito erudito de Belém, como ele terá no circuito popular? Será o que foi nesta noite: apenas um coro cantando para um monte de gente que não sabia de sua existência e estavam esperando a apresentação de Ivan Lins; este sim com significado para o público presente.

Muitos aqui de Belém podem e, certamente, consideram-me um chato por cobrar tanto tapete vermelho para este coro. Mas o fato é que eu cobro PORQUE ELE MERECE! Merecem Maria Antonia, Mariane, Rita, Tiago. Todos os que integraram-no, que atualmente o integram e que futuramente o integrarão. O Coro Carlos Gomes já era para ser uma instituição da música no Pará. Mas por conta de muita coisa ruim no meio musical erudito belenense não é. Égua!





Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESSA NEGRA FULÔ: ANÁLISE

FORMA E ESTRUTURA NA ÓPERA: CENA III - ESTRUTURAÇÃO DE UMA ÓPERA

Mozart: Bastião e Bastiana em português e com sotaque paraense