JOANA BOECHAT: PIANISTA MINEIRA




"O povo brasileiro não têm consciência de que a arte do piano, ao longo deste século [XX], atingiu aqui um primor esplendoroso. Não tem noção de que ela aqui transcendeu em muito o nível da arte comum que fazem pelo mundo até nomes célebres. Coisas houve aqui, que espiritualizaram o piano."
Arnaldo José Senise, musicólogo

A pianista mineira, natural de Belo Horizonte, Joana Boechat, realizou na noite de 12 de março de 2010 na Sala Augusto Meira Filho em Belém um super recital, parte do programa Música Minas promovido pela Secretaria de Cultura de Minas Gerais e o Forum da Música de Minas Gerais, que selecionou músicos mineiros para exibirem-se nas capitais brasileiras.

O recital de Joana foi um luxo só e mostrou porque os pianistas brasileiros merecem ser respeitados dentro e fora do Brasil: porque eles são o máximo!

Há décadas os pianistas brasileiros vêm se destacando internacionalmente pela habilidade técnica, sensibilidade musical e forte personalidade pianística. O povão que idolatra o futebol nem sequer imagina a aura de preciosidade que o piano brasileiro alcançou; mas os europeus sabem, tanto que vários de nossos pianistas estão aí fora fazendo carreiras regulares: alguns figurando no circuito internacional de concertos como Nelson Freire, Arnaldo Cohen e Cristina Ortiz.
Joana, que ainda está com 25 anos, já é bacharel em piano pela UFMG promete manter viva essa aura de preciosidade e grandeza que cerca o piano brasileiro, deixando o povão alheio ao que de grande acontece na música erudita brasileira: azar deles. Se eles  soubessem que músicos como Joana Boechat vieram ao mundo somente para nos encher de alegria, felicidade e prazer, certamente a bola de futebol perderia a aura divina recebida pelo povão brasileiro.
O recital foi heavy metal, com muita música que exige dedos fortes e forte personalidade do pianista. Compositores reconhecidamente tarimbados na composição pianística figuraram no programa, sendo este um pequeno resumo da significativa música pianística dos séculos xix e xx, brindando-nos com uma peça bastante recente de Ronaldo Miranda, compositor brasileiro vivo e ainda na ativa.
Este foi o programa
Brahms: Peças para piano Op. 118
1. Intermezzo
2. Intermezzo
3. Ballade
Debussy: Suite pour le piano
- Prelude
- Sarabande
- Toccata
Scriabin: 6 Prelúdios Op. 11 nº. 4, 5, 6, 15 e 14
Ginastera: Prelúdios Americanos
1. Para los acentos
2. Triste
3. Danza criolla
R. Miranda: 3 Micro-peças
1. incisivo
2. Lírico
3. Lúdico
Bis: Villa-Lobos: Passa, passa gavião.



PROGRAMA


Brahms: Peças para piano Op. 118

1. Intermezzo 2. Intermezzo 3. Ballade


Debussy: Suíte pour le piano



Scriabin: Prelúdios para piano n. 4, 5, 6, 15 e 14



Ronaldo Miranda: 3 Micro-peças


Alberto Ginastera: Prelúdios Americanos


Bis. Villa-Lobos: Passa, passa gavião

Comentários

  1. Olá, Ricardo!

    Acabei de descobrir os vídeos do recital aqui! Gostei, até porque eu não tive como gravar. Valeu demais a divulgação!

    Um abraço,
    Joana.

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ESSA NEGRA FULÔ: ANÁLISE

FORMA E ESTRUTURA NA ÓPERA: CENA III - ESTRUTURAÇÃO DE UMA ÓPERA

Mozart: Bastião e Bastiana em português e com sotaque paraense