CONCERTOS PARA BELÉM II: PAMELA PYLE E BRIAN LEWIS

O Duo de piano e violino formados pelos norte-americanos Pamela Pyle e Brian Lewis realizaram um super recital na noite de segunda-feira, 10 de maio de 2010, na Sala Augusto Meira Filho, do Arte Doce Hall em Belém do Pará como já havia anunciado na postagem anterior.
Já está bastante repetitivo eu escrever que os músicos foram perfeitos na execução, com som límpido, excelente leitura das partituras, entrosamento mais que perfeito etc. Mas dessa vez houve um diferencial, sobretudo pelo violinista Brian Lewis, que conseguiu uma comunicação muito sincera com a platéia (conferir nos vídeos); o que deixou a formalidade e aquela distância respeitosa entre público e músicos de fora da performance dessa vez. Ponto para ele: quem ganhou foram todos nós.
O recital, na sua maioria, foi estruturado por peças arranjadas para violino e piano, pois as originais foram escritas para outras formações intrumentais. Palmas para os arranjadores que fizeram um excelente trabalho. O meu destaque para o recital foi a Sonata Op. 108 de Brahms. Beleza de peça. É impressionante como Brahms, quando queria, conseguia escrever música sinfônica para uma formação camerística. Botar sinfonismo na música de câmera era uma habilidade e até mesmo um hábito em outro compositor que não era fã da música de Brahms e até mesmo é colocado como opositor do barbudo alemão por alguns de seus admiradores: coisa que eu também fiz na adolescência; mas hoje já ouço Brahms com o entendimento das suas particularidades para saber diferenciar o romantismo de um alemão e de um russo: sim, eu estou falando de Pyotr Ilych Tchaikovsky.
Os dois bis foram um espetáculo a parte: haja habilidade técnica para tocar o Canário foguento de Paul Nero em arranjo de Florian Zabach. Pirotecnia musical sempre levanta o público. O que fazer? Deixar o público feliz. Quem não foi perdeu um recital ímpar.

Aqui estão os vídeos da apresentação que levantou o público que compareceu ao recital:

Vivaldi/Respighi - Sonata em D maior

1. Moderato (a fantasia)




2. Allegro moderato




3. Largo




4. Vivace




Brahms - Sonata em d menor, Op. 108
1. Allegro 2. Adagio 3. Un poco presto e con sentimento 4. Presto agitato





Bela Bartok - Rapsódia nº. 2
I. Lassu-Moderato II. Friss-Allegro moderato




Fritz Kreiler - Syncopation




Rachmaninoff/Kreisler - 18ª variação sobre um tema de Paganini



Rachmaninoff/Kreisler - Polka Italiana

Aaron Copland - Hoe-Down de "Rodeo"

Bis 1: Kreiler - La Gitana

Bis 2: Paul Nero - O Canário Foguento

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESSA NEGRA FULÔ: ANÁLISE

FORMA E ESTRUTURA NA ÓPERA: CENA III - ESTRUTURAÇÃO DE UMA ÓPERA

Mozart: Bastião e Bastiana em português e com sotaque paraense