BANDA SINFÔNICA DA FCG ABRE 23º FIMP

A Banda Sinfônica da Fundação Carlos Gomes abriu novamente o XXIII Festival Internacional de Música do Pará no HANGAR. Apresentação bem preparada por Jacob Cantão foi prejudicada pelo local totalmente inapropriado para apresentações musicais, por um ponto simples: não se trata de uma sala de concertos e sim de um salão de convenções. Deste modo, ele foi pensado arquitetonicamente para reuniões de pessoas que se satisfazem com um tablado onde a mesa diretora ou de discussões está em um nível acima dos conferencistas; mas não dá para por um grande grupo musical ali, sem que haja prejuízos; e foram vários.
Primeiro: a visibilidade da banda foi totalmente prejudicada, pois quem estava mais atrás na platéia, como eu, não tinha uma boa visão do grupo e praticamente não víamos os instrumentos do primeiro naipe, que ficou localizado no chão e não no tablado.
Segundo: a acústica do local não existe, pois o local foi pensado para projetar o som por meus eletrônicos e não naturais. Só não foi pior por se tratar de instrumentos de madeiras, metais e percussão; que como todos sabem são bem barulhentos.
O repertório preparado por Jacob Cantão com a banda teve muito esmero, mas destoou muito do tema do FIMP deste ano (aliás, coisa que está se repetindo nestes festivais promovidos durante o governo petista de Ana Júlia Carepa). O SAGRADO NA MÚSICA somente foi ouvido na última peça executada por um quarteto vocal de boas vozes populares que entoaram algum hino protestante de alguma igreja protestante de Belém: o que não é difícil de encontrar considerando-se que os protestantes em nossa cidade estão se proliferando que nem moscas. Enquanto isso os católicos ficam na sua, caladinhos, perdendo espaço. Mas isto é outra conversa que não me interessa.
Heis o programa executado:


Jan de Haan (1951) Music for a solemnity

Vicent Persicheti (1915 - 1987) Divertimento for Band

I - Prologue
II - Song
III - Dance
IV - Burlesque
V - Soliloquy
VI - March
Jan van der Roost (1956) Arsenal

Intervalo


Lhano La Alhambra

Tradicional Londonberry Air
Arr. Sammy Nestico

Soraya Moraes (*) (1973) Estou Pronto
Arr. Elielson Gomes Participação especial Quarteto Vocal Feminino: Alfa Sister

Rafael Hernandez (1892 - 1965) El Cumbanchero
Ar. Noahiro Iwai

Regência: Jacob Cantão

VÍDEOS:













IMAGENS: Houve um blackout durante a apresentação. Tudo ficou às escuras.







Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESSA NEGRA FULÔ: ANÁLISE

FORMA E ESTRUTURA NA ÓPERA: CENA III - ESTRUTURAÇÃO DE UMA ÓPERA

Mozart: Bastião e Bastiana em português e com sotaque paraense