Roberta França e Campos de Melo: Recital em Belém

Os paraenses Roberta França e Paulo José Campos de Melo realizaram na noite de 20 de dezembro de 2010 na Sala Augusto Meira Filho em Belém do Pará um recital promovido pela Fundação Amazônica de Música enchendo a capital paraense de sons musicais na reta final deste ano. Aliás 2010 está repleto de apresentações musicais no período natalino como há anos não se via.
Paulo José e Roberta são dois legítimos representantes do que significa ser músico erudito paraense, isto é, bem preparados tecnicamente, de qualidade musical elevada, de indiscutível talento artistico e por isso mesmo músicos que tiveram de sair do Pará para fazer carreira profissional em outros estados ou países devido a total incapacidade da terra paraense - e pela falta de interesse do nosso povo, diga-se - em manter esses grandes músicos em nossa terra. Por isso o Pará continuará a abandonar os seus grandes músicos e quem fará uso deles são outros povos mais sábios e espertos que o nosso, sabedores de que um músico de qualidade não é coisa para se desprezar dão a eles as condições de se profissionalizarem e viverem de música, não de educação musical como aqui, mas de música mesmo, ou seja, concertos, recitais, gravações, vídeos e tudo o mais que um músico erudito profissional possa fazer para ganhar dinheiro e viver de sua arte.
Paulo José fez carreira na Alemanha e Roberta atualmente está radicada nos Estados Unidos. Muitos dizem que esses músicos por serem grandes devem abandonar o Pará porque aqui músico bom não deve ficar, mas nem percebem que isso essa afirmativa leva a um fato preocupante: se todos os nossos grandes músicos, por esse fator, sairem do Pará nós ficaremos somente somente com os "merdinhas". E nenhum público merece ficar somente com a "rebarba" musical. Então já passou da hora de o Pará e o povo paraense começarem a valorizar o que é nosso e de grande qualidade e se esforçarem para mantê-los aqui; tanto suas arte quanto suas qualidades musicais.
Como podem ver nos vídeos ambos os músicos sabem (muito bem) o que fazem. Houve problemas nesse recital, evidentemente sim; mas creio que devido às poucas horas de ensaio, pois música de conjunto não se prepara "nas coxas". Mas o resultado final foi bastante agradável. Roberta tem uma sonoridade muito boa e clara no violino, chamando a minha atenção a limpeza de seu ataque. Reconhecesse um grande violinista pela clareza nos seus ataques e Roberta França e muito boa no trato com seu instrumento. Espero vê-la novamente tocando em Belém.

INFORMAÇÕES CONTIDAS NO PROGRAMA
Roberta França é atualmente violinista da Reno Philharmonic Orchestra e da TOCCATA Orchestra, na cidade de Reno, estado de Nevada. Desenvolve atividade acadêmica na Universidade de Nevada, Reno, como Professora Assistente Administrativa da Série de Música de Camera L-CUBES. Nesta Universidade está concluindo Mestrado em Música – Performance em Violino e Estudos Orquestrais, tendo como orientadora a professora Stephanie Sant’Ambrogio.
Estudou com os violinistas: Amy Appold, Eva Szekely, Stephanie Sant’Ambrogio, Leslie Perna, Nikolai Khit, Sergei Firsanov, Tatiana Firsanova, e Celson Gomes. Participou de master classes com os professores: Ronald Patterson, Benny Kim, Elizabeth Pitcairn, Martin Chalifour, Dmitri Atapine, entre outros.
É Mestre em Educação Musical 2009 pela Universidade de Missouri – Columbia, (MU), sob orientação da Dra. Wendy Sims. É Bacharel em Música – Violino, por esta Universidade onde também concluiu em 2007 o Curso de Administração – Busness.
Tendo uma formação intelectual versátil, desenvolveu um grande trabalho pedagógico na Universidade de Missouri, lecionando a disciplina Fundamentos da Música, no Curso de Graduação em Música, daquela Universidade. Foi também Diretora Assistente e Professora do Missouri String Project, projeto no qual ministrou aulas para crianças de 8 a 12 anos, em Columbia, Missouri, no período de 2002 a 2009.
Quando morando na cidade de Columbia, estado do Missouri, nos EUA, participou ativamente da vida musical desta cidade, atuando como violinista em orquestras e grupos musicais. Integrou a Orquestra da Universidade do Missouri – MU sob a regência do Maestro Edward Dolbashian, e a 9th. Street Phiçharmonic Orchestra. Neste período apresentou-se como camerista na Odyssey Chamber Music Series e manteve o duo com a professora Natalia Bolshakova, pianista.
Natural de Belém, pará, brazil é formada em violino pelo Conservatório Carlos Gomes, onde conclui seu curso no ano 2000. Integrou o naipe de violinos da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, e em diversas oportunidades integrou a Orquestra Sinfônica do Festival Internacional de Música do Pará. Além de uma ativa violinista, Roberta França adora lecionar.
Paulo José Campos de Melo filho da pianista Ana da Graça Campos de Melo, iniciou a carreira artística aos três anos de idade na extinta TV Tupi do Rio de Janeiro. Concluiu o curso de piano no Conservatório Carlos Gomes com a Profª. Doris Azevedo e estudou posteriormente com Miguel Proença no Rio de Janeiro e com o Maestro Souza Lima em São Paulo. Em 1977 a convite do pianista Roberto Szidon foi para a Suiça onde se apresentou no Festival Tibor Varga em Sion. No mesmo ano foi admitido na Escola Superior de Artes de Berlim onde concluiu o curso em 1981, com o professor Helmut Rollof e paralelamente aos estudos foi Diretor Musical do Städtische Bühnen West Berlin (Palcos Municipais de Berlim Ocidental) e atuou como Diretor de sonoplatia no Theater dês Westens. Transferiu-se para Göttimgen onde foi diretor musical do Deutsches Theater.
Como pianista apresentou-se em mais de 20 Países na Europa e Americas do Norte e Sul e foi Diretor Musical de alguns dos mais importantes Teatros da Europa, como o Teatro Municipal de Münster, O Teatro Estadual de Braunschweg, o Schloss Theater de Celle, Teater der Courage em Viena, Atelier Theater em Berna e Tiroler Landesr Theater de Inssbrücken.
Apresentou-se com renomadas orquestras e regentes e como camerista apresentou-se com expressões da música da atualidade como o Trio Beethoven de Londres, Antonio Del Claro, Eva Szekely, Andre Kerver, Fred Pott, Ana Rute Bermudes, Dilson Florêncio, Wolfgang Bünten, Peter Grönlund, Susanne Eisenkolb, Barbara Blume, Maria Hartmann, Gabriel Barilli, Michael Wallner, etc...
Recebeu prêmios por sua atuação como Diretor musical, compositor e editor da trilha sonora do filme “Faust” do diretor austríaco Ernst Gossner e escreveu e gravou a trilha sonora do brasileiro “O Pão dos Anjos” de Daniel Tonucci. Tem um musical e duas óperas de câmara editadas em Viena com textos de Michael Wallner e Goethe.
A convite do Governo do Estado do Pará foi superintendente da Fundação Carlos Gomes de 1996 a 2006. Gravou o único CD do cantor paraense Walter Bandeira, lançado em 2009.


PROGRAMA


Vocalisa Serguei Rachmaninof (1873-1943)
Sonata nº. 2 em lá maior, Op. 100 Johannes Brahms (1833-1897)
Allegro amabile
Andante tranquillo
Allegretto grazioso (quase Andante)
Romance em F Antonin Dvorak (1841-1904)
A Lenda do Caboclo Heitor Villa-Lobos (1887-1959)
Santarém por de sol Wilson Fonseca (1912-2002)
Tree Preludes George Gershwin (1898-1937)
I.
II. Andante com moto e poço rubato
III. Allegro ben ritimado e deciso
Tambourim Chinoise (Tamborin Chinesa) Frtiz Kreisler (1875-1962)


VÍDEOS

Rachmaninov: Vocalise

video

Brahms: Sonata para violino n. 2 em lá maior, Op. 110: 1º. Allegro amabile

video

Brahms: Sonata para violino n. 2 em lá maior, Op. 110: 2º. Andante tranquillo

video

Brahms: Sonata para violino n. 2 em lá maior, Op. 110: 3º. Allegretto grazioso (quasi Andante)

video

Dvorak: Romance em F

video

Villa-Lobos: A Lendo do Caboclo

video

Santarém Por de Sol

video

Gershwin - Tree Preludes

I. Sem indicação

video

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESSA NEGRA FULÔ: ANÁLISE

FORMA E ESTRUTURA NA ÓPERA: CENA III - ESTRUTURAÇÃO DE UMA ÓPERA

Mozart: Bastião e Bastiana em português e com sotaque paraense