sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Quarteto Arild Kvartetten, Christian Lindberg e Orquestra Virtuosi




Informações do programa:

QUARTETO DE CORDAS ARILD KVARTETTEN

     desde sua estréia em 2008 o Arild Quartet tem liderado a música de câmara dinamarquesa recebendo muitos elogios pela sua interpretação madura e elegante. Os membros do Quarteto são todos músicos experientes com posições de liderança na Real Orquestra Sinfônica de Copenhague e na Orquestra Sinfônica de Odense. No verão de 2009 o quarteto visitou uma série de festivais de música de câmara incluindo o 18º Nafplion Festival na Grécia e o Kammarmusikfestivalem 2009 Tjörn-Orust-Stenugsund na Suécia. Atualmente  quarteto está preparand um CD com obras do compositor dinamarquês CFE Hornemann.

formação

Tobias Durholm - violino
Anna Zeliandjevo - violino
Rafael Altino - viola
Ingemar Brantelid - cello








Johannes Brahms - Quarteto de cordas nº. 1 em C menor, Op. 51

1. Allegro



2. Romance - Poco Adagio



3. Allegretto molto moderato e comodo



4. Allegro


Christian Lindberg ERO ARCTICA para trombone alto e cordas


Vivaldi - Concerto nº. 5 em E maior "La Tempesta di Mare", RV 253
Allegro - Largo - Allegro




Chistian Lindberg:







quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Coro Carlos Gomes: Natal 2011


     O Coro Carlos Gomes, sob a regência de Maria Antonia Jimenez, fez sua participação no Natal com arte em toda parte versão 2011 na noite de 21 de dezembro após uma forte chuva que caiu em Belém do Grão-Pará e iniciou o seu concerto com meia-hora de atraso devido ao toró; nada que o público - igualmente atrasado - tenha reclamado.
     Dessa vez o nosso mais importante coro de câmera apresentou-se com uma orquestra arregimentada para a ocasião com vários músicos ligados à Fundação Carlos Gomes, alguns recentemente formados como Kalie Akel e André Xavier, onde colaram grau junto a mim na turma de 2010 do Conservatório Carlos Gomes.
      O repertório todo sacro e natalino, é claro, apresentou o papai Bach na primeira parte, com orquestra, e o coro voltou só para a segunda com peças de Ernani Aguiar, Irving Berlin Adam/Dwight, Jakobs e Brandão. 
       A primeira parte foi dominada pela III Parte do Oratório de Natal e o Kyrie da Missa em Si menor. Como alguns dos coralistas fizeram-se solistas cantando os recitativos fizeram-no do coro; o que gerou uns probleminhas técnicos como Tiago Costa cantando recitativo escondido atrás dos sopranos; portanto, vimos somente uma cabeça cantante na hora. Sílvio Rodrigues estando na linha de frente dos contraltos foi visto dos pés à cabeça. Musicalmente o som foi bem ajustado às dimensões do Museu de Arte Sacra do Pará e suas paredes de pedra, barro e óleo de baleia. Rita Piedade (contralto) foi bem ouvida dessa vez, pois sua voz de pouco volume - própria de uma coralista - projetou-se no espaço correto para ela e não na imensidão do Teatro da Paz.
     A segunda parte foi bastante agradável com alguns arranjos de clássicos natalinos como Holly Night e White Christmas e obras para mim desconhecidas até então como as dos três outros compositores dessa parte. Destaque para o Chorinho Natalino de José Vieira Brandão: fiquei imaginando o Papai Noel sacolexando a pança e a bunda enquanto entrega, sempre sorridente, os presentes. Só vi um ponto negativo durante o concerto: o soprano que ficou na ponta esquerda do vídeo (que não conheço) passou a segunda parte inteira na pura dublagem, dando-se ao desleixo de prestar atenção no público enquanto seus companheiros de coro se ocupavam com a verdadeira cantoria. Só por estar no Carlos Gomes ela já deveria ter uma postura bem diferente. Particularmente eu a levaria para o Congresso Nacional e aplicaria-lhe uma taxação de C.P.I, ou seja, Cara de Pau Intencional. Feliz Natal a todos.
     


J. S. Bach: Oratório de Natal - final da 3ª parte



J. S. Bach: Kyrie da Missa em Si menor


Ernani Aguiar: Acalentando Jesus


Irving Berlin: White Christmas


Adolphe-Charles Adam/J. Sullivan Dwight: Holly Nights


Luc Jakobs: Dormi Jesu


José Vieira Brandão: Chorinho Natalino






domingo, 18 de dezembro de 2011

Peter Laul: um atleta do piano

           Após o recital de Anna Malikova, outro pianista de origem russa volta a se apresentar em Belém do Grão-Pará. Tratou-se do pianista de São Petersburgo Peter Laul que mostrou pela segunda vez à platéia belenense a força, vitalidade e virtuosismo da escola russa de piano, suplantada pela escola brasileira de piano nas últimas duas décadas no cenário internacional pelo fato de Yevgueni Kissin ser o único pianista russo de destaque internacional, tendo já anteriormente se apresentado algumas vezes na cidade de São Paulo mas, infelizmente, nunca em Belém.
        Pois para suprir essa ausência a Musikart Produções brindou-nos com essa espetacular apresentação desse espetacular pianista. Homem forte do piano, representante legítimo de uma das mais fortes tradições pianísticas do planeta, é também um homem de aço ao piano, lembrando Prokofiev quando tocava inabalável peças virtuosísticas e extramente cansativas fisicamente; o que explica o título deste ensaio.
          O recital inteiro foi dedicado ao piano romântico dos cabeludos Ludwig van Beethoven e Franz Liszt. Além do virtuosismo a força física do pianista foi um destaque. Tocou em quase duas horas 10 peças: talvez o recital de piano de maior duração deste ano. Nada que a maior parte do público tenha reclamado, pois contei somente três pessoas que se retiraram na altura das peças Wagner-Liszt. 
       Com um programa muito bem equilibrado musicalmente: Beethoven na primeira parte e Liszt ocupando toda a segunda, as forças musicais foram divididas para alcançar o equilíbrio, pois as sonatas Op. 10 nº 3 e Op. 57 de Beethoven são sonatas exigentes de dedos ágeis e fortes, enquanto Liszt, como sempre, requer um atleta do piano: o que Peter Laul é sem sombra de dúvida. Um recital gigantesco em todas as suas proporções. Parabéns à equipe da Musikart por mais esse extraordinário momento musical em Belém do Grão-Pará. 

Informações do programa:

"PETER LAUL - Piano
o pianista Peter Laul nasceu em uma família musical em São Petersburgo, na Rússia e iniciou a sua formação estudando com Alexander Sandler no Conservatório de São Petersburgo, onde posteriormente se tornou membro do corpo docente. Ele ganhou o terceiro prêmio e prêmio especial para o melhor desempenho na competição Bach Bremen em 1995 e novamente em 1997 quando ganhou o primeiro prêmio e prêmio especial para o melhor desempenho com a Sonata de Schubert, e primeiro prêmio na competição Scriabin em Moscou em 2000. Em 2003 foi premiado com a medalha de honra para realizações nas artes pelo Ministério da Cultura da Federação Russa.
Peter Laul atuou como solista na Orquestra Filarmônica de São Petersburgo, na Mariinsky
Theatre Orchestra, na Symphony Orchestra Moscow, na Moscow Estado Kapella Orchestra, bem como numerosas orquestras russas, sob a direção de maestros como Maxim Shostakovich, Valery Gergiev, Klas Eri, Jean-Claude Casadesus, e Nikolai Alekseev. Ele também se apresentou com a Filarmônica Nordwestdeutsche, a Dessau, Bremenhaven e Orquestras Oldenburg Teatro e 'Les siécles "sob François-Xavier Roth. A qualidade de suas performances o levaram para a Filarmônica de São Petersburgo Halls, o Moscow Conservatory Halls, o Moscow Tchaikovsky Hall e os novos Moscow International House of Music.
No exterior, já se apresentou no Auditorium du Louvre, o Théâtre de Ia Ville, Théâtre du Châtelet e do Musée d'Orsay, em Paris, Lincoln Center, em Nova York, o Concertgebouw de Amesterdão, a Vredenburg, em Utrecht, Die Glocke em Bremen, o Montpellier Corum, o Opera City Hall em Tóquio e em locais diversos e festivais em toda a Rússia, Europa, Japão e Estados Unidos. Suas atuações mais recentes foram na Serres d'Auteuil festival em Paris, o Festivais Schubertiade e Beethoven em Colmar, o Kamchatka Spring Festival, o Festival de Saint-Riquier, o Luxemburgo Philharmonic Hall, Le Théâtre de Ia Monnaie, em Bruxelas, o Lancut Festival da Primavera na Polônia e na Irlanda do Norte.
Entre seus parceiros de música de câmara incluem-se Dmitry Kouzov, Marc Coppey, Ilya Gringolts, Graf Mourja, Sergey Levitin, Francoise Groben, Gary Hoffmann, David Grimal, Laurent Korcia e Tedi Papavrami.
Peter Laul gravou para a Harmonia Mundi, Aeon, Querstand, Classics Integral, King Records, Flores do Norte, Querstand e estações de rádio e televisão numerosos na Rússia e no exterior."   

PROGRAMA:

Ludwig van Beethoven

             Sonata em ré maior Op. 10 nº. 3
                   Presto
                   Largo e mesto
                   Menuetto: Allegro
                   Rondo: Allegro

            Sonata em fá menor Op. 57
                  Allegro assai
                  Andante con moto
                  Allegro ma non troppo - Presto

Intervalo

Schubert/Liszt               

              Aufenthalt
              Staendchen
              Soirees de Vienne Valse Caprice nº. 6

Wagner/Liszt
       
               
           
VÍDEOS:

Beethoven (1770-1827)

Sonata para piano em D, Op. 10 nº. 3
Movimentos: 1) Presto  2) Largo e mesto  3) Menuetto: Allegro  4) Rondo: Allegro

 



Sonata em F, Op. 57
Movimentos: 1) Allegro assai  2) Andante con moto  3) Allegro ma non troppo - Presto



Intervalo

Schubert/Liszt

Aufenthalt



Staendchen



Soirees de Vienne Caprice nº. 6




Wagner/Liszt

Spinnenlied (da ópera Der Fliegende Holländer)




Elsas Brautzug (da ópera Lohengrin)



Einzug der Gaeste (da ópera Tannhäuser)




Franz Liszt

Valse Oubliée nº. 1

Mephisto Walzer nº. 1



Bis:

1. Chopin: Valsa em C# menor, Op. 64 nº. 2 - Tempo giusto


2. Chopin: Valsa em Db maior, Op. 64 nº. 1 - Molto vivace














sábado, 17 de dezembro de 2011

Fábio Martino e a má educação paraense

     A noite de 04 de dezembro de 2011 ficará marcada nos anais belenenses como uma noite em que a má educação paraense deu as caras e acabou com a reputação até dos que têm boa educação. Noite muito complicada para o histórico dos concertos na capital paraense, teve falhas dentro e fora do palco.
     O primeiro grande fora da noite foi a altamente desigual execução do Réquiem de Gabriel Fauré pelo Madrigal da UEPA (Univesidade do Estado do Pará) dirigido pelo professor de canto belenense Milton Monte e nessa ocasião dirigido musicalmente pelo francês Phillipe Forget. O apresentação ficou desequilibrada pois o coro fez sua parte e saiu-se bem, sustentando os bons momentos da execução.  O contraponto desagradável foram os solista: o já citado Milton Monte (barítono) e Dione Colares. Ele com voz já desgastada, mas ainda insistindo em cantar, entrou em campo e não jogou nada. Dione, por sua vez, em péssima noite, apresentou-nos o Pie Jesu mais horroroso que já ouvi até então. 
     A apresentação tinha bons elementos para ser uma grande apresentação: a orquestra foi substituída por um piano (executado a contento por Leandra Vital); tornando a música de Fauré ainda mais intimista e o coro - mantendo a tradição paraense - fez uma boa participação, embora a rotatividade dos integrantes do Madrigal da UEPA ainda não permita ao grupo criar sua personalidade musical: o que deve acontecer quando parar o entra-e-sai de integrantes.
      Porém o momento mais marcante para nós que estivemos lá e que será lembrado por muitos anos como algo extremamente desagradável para nós paraenses ocorreu durante a apresentação do pianista Fábio Martinucci: originalmente tocaria o Imperador de Beethoven, e não o fez pois não se sentiu confortável com a Orquestra Sinfônica Altino Pimenta que o acompanharia musicalmente, sob a regência de Miguel Campos Neto. Uma parcela do público que já vinha fazendo ruídos mil durante as apresentações anteriores perdeu a pouca compostura que possui e iniciou uma ruidosa série de entra-e-sai da sala de espetáculos do Teatro da Paz, atrapalhando toda a apresentação da Sonata para piano de Brahms. Martino, visivelmente, aborrecidíssimo com tal comportamento, saiu do palco com cara de nenhum amigo e não desejando retornar para ela: só o fez devido aos insistentes aplausos que a outra parcela da platéia (eu no meio) executou até o seu retorno com visível aborrecimento no rosto. 
     Nos bastidores alguns disseram que a barulheira foi promovida por familiares dos integrantes da Orquestra, ofendidos pelo pianista ter cancelado a apresentação do célebre concerto de Beethoven, deixando claro que a orquestra não está ao nível técnico da partitura: basta ouvir o vídeo inicial para constatar que essa orquestra de alunos de fato é bem fraca. Piora se for comparada a Orquestra Jovem Vale Música. 
     Noites como esse devem servir de exemplo para todos nós: sala de concertos não é lugar de conversas, desavenças e qualquer manifestação ruidosa prejudicando a concentração dos músicos e a própria execução musical. Pois o silêncio, antes de tudo, cobre os músicos de respeito pelos seus trabalhos e também por todos os frequentadores das salas de concertos que vão para ouvir música e não desaforos de pessoas sem educação, postura ou respeito pelo músico, e por fim, pela música.
     A formação de platéia de concertos em Belém deve ser reabilitada, pois essa gente nova que anda frequentando os recitais e concertos na capital paraense devem, urgentemente, aprender a controlar suas mãos e impulsos para o bem da música de concerto em Belém do Grão-Pará.

Adalbert Carneiro: Suíte


Gabriel Fauré: Requiem

Parte 1:



Parte 2:


Parte 3:



Johannes Brahms: Sonata para piano 








quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

F.A.M: MATRÍCULAS 2012

    Abaixo está a tabala com o calendário de matrículas para o ano letivo de 2012 da Fundação Amazônica de Música. O projeto de formação de músicos eruditos com crianças provenientes das escolas públicas paraenses é mantido pela Vale e administrado pela equipe da professora e administradora escolar paraense Glória Caputo.
O projeto é extraordinário pelos excelentes resultados que vem obtendo nos últimos anos. Basta ouvir a Orquestra Jovem Vale Música, atualmente regida por outro talentoso paraense, o regente Miguel Campos Neto para se constatar o nível técnico dos alunos da FAM. De longe, mas bem longe mesmo, a melhor orquestra de alunos do estado do Pará.


PROJETO VALE MÚSICA

DATAS DOS TESTES SELETIVOS E MATRÍCULAS DOS NOVOS ALUNOS


1) Matículas de alunos antigos:  27 A 29 de dezembro de 2011

·         Horário:          09:00 às 11:30
                                   15:00 às 17:30

·         Documentos Necessários:
            - Boletim Escolar e Comprovante de Matrícula (cópia)
            - 01 foto (recente) 3x4
            - RG e CPF do responsável (cópia)

Na ocasião da matrícula, os alunos deverão trazer seus instrumentos para conferência e realização de novo Termo de Responsabilidade. 


2) Inscrições para Seleção de Novos Alunos:           27 a 29 de dezembro de 2011
                                                                                  09 a 12 de janeiro de 2012

·         Horário:          09:00 às 11:00
                                   15:00 às 17:00

·         Documentos Necessários:
            - Certidão de Nascimento ou RG da criança (cópia)
            - Comprovante de Residência (cópia)
            - Boletim Escolar e/ou Comprovante de Matrícula (cópia)
            - RG e CPF dos pais e/ou responsáveis (cópia)
            - 01 foto 3x4

Os candidatos à vaga tem que ser alunos da rede pública de ensino ou bolsistas e com idade entre 07 e 09 anos de idade.


3) Realização dos Testes Seletivos:  17 e 19 de janeiro de 2012

·         Horário:          09:00 às 11:30
                                   15:00 às 17:30

4) Resultado dos Testes Seletivos: 23 de janeiro de 2012

5) Matrículas de novos Alunos:  25 a 27 de janeiro de 2012
·         Horário:          09:00 às 11:30
                                   15:00 às 17:30

6) Início das Aulas para Novos Alunos: 07 de fevereiro de 2012



domingo, 4 de dezembro de 2011

Recital Fredi Gerling e Cristina Caparrelli

        O duo violino-piano formado pelo estadunidense Fredi Gerling e a brasileira Cristina Caparrelli; ambos professores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, apresentaram-se na Sala Augusto Meira Filho em Belém do Grão-Pará na noite de 03 de dezembro de 2011 dentro da programação do 38º Encontro de Arte de Belém, o ENART, para uma platéia que não alcançou 20 pessoas.
        Para nós que participamos dessa noite, foi um momento de apreciação da arte de dois refinados artistas, cujos ouvidos sabem ouvir um ao outro, fundamental na prática da música de câmera. Tocaram Messiaen, Camargo Guarnieri, Fauré e Smetana. Se não fosse pela presença do oitocentista compositor tcheco Bedrich Smetana a noite teria sido dedicada integralmente à música para violino e piano feita no século XX por três dos grandes nomes da composição novecentista.
        O recital teve obras escolhidas de forma bastante equilibrada e foi visível perceber que um dos critérios de escolha das obras foi a uniformidade de suas sonoridades, não muito distantes; deixando o recital inteiro com um equilíbrio de sonoridade bem resolvido.
        Os dois artistas tem bastante experiência na docência e no palco, portanto, sabem o que fazem com as partituras. O recital muito bom que deveria ter sido assistido por mais gente, infelizmente foi colocado no mesmo horário do encerramento do Festival de Ópera deste ano e também coincidiu com outros eventos musicais ocorridos em Belém nessa noite que foi lotada de música para todos os gostos e todos os públicos.

INFORMAÇÕES CONTIDAS NO PROGRAMA:

Fredi Gerling, violino

Violinista e regente, é Professor da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Recebeu o título "Doctor of Musical Arts" da Universidade of Iowa em Maio de 2000. A sua tese versou sobre análise para interpretação e a análise de interpretações gravadas sendo a Bachiana Brasileira nº. 9 de Heitor Villa-Lobos a base do trabalho. Foi regente titular e diretor artístico da Orquestra de Câmara Theatro São Pedro de 1989 a 1995 tendo liderado o grupo em três tournées internacionais e gravado dois CDs. Nos Estados Unidos da América foi regente da orquestra de cordas da prestigiosa Preucil Music School, referência internacional no ensino de cordas e atuou como solista, camerista e professor em várias outras escolas e orquestras destacando-se entre estas Tufts University, New England Conservatory Preparatory School e Boston Concert Arts Orchestra. Tem atuado como professor convidado e/ou regente em festivais e cursos extraordinários em Belo Horizonte, Campos do Jordão, Curitiba, João Pessoa, Londrina, Brasília, Uberlândia entre outros.

Cristina Capparelli, piano

Professora Titular de Música na Universidade Federal do Rio Grande do Sul, a pianista Cristina Capparelli vem atuando ativamente na vida acadêmica e artística da cidade. Convidada pelas principais escolas de música do país, Cristina apresenta-se como recitalista, Camerista e como pesquisadora em renomadas escolas de música norte-americanas; recentemente apresentou-se em recitais e conferencias na Sorbonne em Paris e também apresentou conferencia sobre expressividade musical e projeção na execução musical no Grove Forum do Royal College of Music em Londres. Durante sua formação obteve o titulo de Mestre em Música, “com honras” no New England Conservatory e de Doutor em Música pela Boston University. Posteriormente ao estágio de pós doutorado na University of Iowa, iniciou um projeto dedicado ao repertório latino-americano cujos resultados parciais podem ser obtidos em: www.ufrgs.br/gppi. Seus alunos têm recebido prêmios expressivos em concursos nacionais e internacionais. Entre suas gravações destacam-se: a gravação da obra completa para piano de Alda Oliveira e Jamary Oliveira (2011) o CD Recital de Música Latino-Americana, sua gravação da Sonata (1972) de Camargo Guarnieri encartada em um livro da Indiana University sobre este compositor e a obra completa de piano de Bruno Kiefer. Em 2008 gravou o CD The Brazilian Cello com a violoncelista Tânia Lisboa para selo inglês Meridian e teve sua trajetória abalizada pela Academia Brasileira de Música do Rio de Janeiro. Em 2009 celebrou 40 anos de atuação em duo com o violinista Fredi Gerling.


Os vídeos foram retirados a pedido do violinista.

Coro Carlos Gomes na Semana de Arte 2019 da Nova Acrópole

    A maestrina cubana Maria Antonia Jiménez agradecendo  a participação do público no concerto do Coro Carlos Gomes      Entre ...