Postagens

Mostrando postagens de 2012

José Maurício Nunes Garcia: apontamentos

Imagem
Este ensaio biográfico é de autoria de Manuel de Araújo Porto Alegre publicado originalmente em 1856. Ele versa sobre dados biográficos do músico e padre brasileiro José Maurício, um dos gigantes da música no Brasil, profundamente estudado pela musicóloga brasileira Cleofe Person de Mattos e que, ainda, necessita obter o seu merecido reconhecimento e lugar adequado às grandes mentes brasileiras dispensados pelo povo brasileiro aos seus grandes nomes, porém mais comumente dado nas últimas décadas aos seus atletas e profissionais de televisão que esbanjam celebridade nacional mas que, na maioria, carecem de verdadeiro valor nacional. 



APONTAMENTOS SOBRE A VIDA E OBRAS  DO PADRE JOSÉ MAURÍCIO NUNES GARCIA

                                                                    Manuel Araújo Porto Alegre


     O grande artista de que vamos ocupar foi um homem singular na arte de Gui d'Arezzo; foi uma organização especial, foi uma organização especial, que ultrapassou a época em que viveu,…

Salomé: Festival de Ópera 2012

Imagem
Descontando os anos que não assisti ao Festival Internacional do Teatro da Paz durante minha estada em Curitiba, o Festival de 2012 foi, no geral, um dos melhores festivais até este ano. Até agora o festival operístico paraense promovido pela Secretaria Estadual de Cultura, então capitaneada pelo arquiteto paraense Paulo Chaves e com total apoio do então governador Simão Jatene somente exibiu grandes óperas do repertório internacional, fazendo algumas remontagens históricas como das óperas Bug Jargal e Iara do paraense José Cândido da Gama Malcher (1853-1921). Em 2012 não foi diferente em termos de repertório, mas houve um diferencial: quase todos os atores de ópera contratados tem grandes vozes, assim deixando a parte vocal do Festival bem mais uniforme que nos anos anteriores quando algumas óperas foram prejudicadas na sua execução pela qualidade desigual dos principais intérpretes. Os figurinos foram outro quesito a merecer vários comentários desfavoráveis também: quem assisti…

Jairo Chaves: Aniversário da Academia da Berliner Philharmoniker

Imagem
O grande violista paraense Jairo Chaves enviou-me esta mensagem que pode ser lida abaixo sobre sua participação no aniversário comemorativo das quatro décadas de atividades da Academia Musical da Filarmônica de Berlim criada pelo regente austríaco e conterrâneo de Mozart, Herbert von Karajan. Para Jairo que foi um dos músicos integrantes da extinta Orquestra de Câmara do Pará e há anos derrama o seu talento no Paraná (já que o Pará o deixou escapar com a tantos outros) o meu mais sincero abraço e congratulação por mais esta conquista importantíssima em sua carreira. Viva o músico erudito paraense!
"O músico Paraense Jairo Chaves, atualmente membro da Orquestra Sinfônica da Universidade Estadual de Londrina e da Orquestra de Câmara “Solistas de Londrina” foi convidado para participar do Concerto Comemorativo pelos 40 anos da Academia da Orquestra Filarmônica de Berlim, fundada pelo legendário Maestro Herbert von Karajan. O concerto, que contará com a presença de atuais e anti…

José Maurício Nunes Garcia: Esboceto biográfico

O texto a seguir foi extraído da publicação da Missa de réquiem do padre José Maurício e escrito pelo visconde de Taunay. A publicação foi realizada pela Bevilacqua no Rio de Janeiro e São Paulo em 1897.  O texto original teve sua escrita adaptadas aos novos padrões da escrita portuguesa atual feita por mim mesmo.
     A 22 de setembro, dia consagrado pela Igreja a S. Maurício, nasceu em 1767, nesta cidade do Rio de Janeiro, de onde nunca deveria sair, José Maurício Nunes Garcia, fruto único do legítimo consórcio de Apolinário Nunes Garcia, natural da ilha do Governador, e de Victoria Maria da Cruz, do bispado de Marianna (Minas Gerais), ambos de cor, esta filha ou neta de uma negra da Costa d'África (Guiné).     Na idade de 6 anos, em 1773, teve o infortúnio de perder o pai; mas ficou-lhe para amparo fecundo e poderoso o amor de sua mãe  em extremo laboriosa e inteligente, auxiliada por uma irmã mais velha, cujo nome infelizmente se perdeu, e talvez não mais se possa vir sa…

Hänsel und Gretel (João e Maria) no Teatro da Paz

Imagem
O XI Festival de Ópera do Teatro da Paz apresentou nas noites de 1, 3 e 4 de novembro de 2012 a ópera Hänsel und Gretel do alemão Engelbert Humperdinck (1854-1921) sendo assim a segunda ópera apresentada no festival, pois foi antecedida da Cavalleria Rusticana de Mascagni. Com o título João e Maria foi anunciada e assim vendida devido o conto dos irmãos Grimm ter recebido este título no Brasil. Como se trata de uma ópera baseada em um conto de fadas, também é bastante comum direcioná-la para o público infantil; o que, de fato, acontece em todo o planeta, e Belém do Grão-Pará não foi diferente. Jamil Maluf deu o ponta-pé inicial para essa produção cantada em português (com excelente resultado) em 2002 com a Orquestra Experimental de Repertório. Com direção cênica de Flávio de Souza e cenários (belíssimos) e figurinos (encantadores) de Fernando Anhê a montagem virou um cult conseguindo manter-se por seis temporadas apresentadas no Teatro Municipal de São Paulo, no Municipal do Rio …

Cavalleria Rusticana no Teatro da Paz

Na noite de 17 de outubro de 2012 teve início o 11º Festival de Ópera do Teatro da Paz com a 1ª de 3 récitas da ópera de Leoncavallo que eclipsou todas as outras desse compositor italiano.
     Segundo Gilberto Chaves no programa do festival, essa ópera foi um dos espetáculos mais apresentados no Teatro da Paz na virada do século XIX para o XX "queridos da platéia paraense à época, que, decerto, nossos bisavós tiveram a oportunidade de aproveitar". Portanto, um retorno histórico da partitura verista à cena do da Paz.
     A noite teve vários altos e baixos. O primeiro a saltar aos olhos de quem conhece a ópera foi o cenário, bastante simples e muito inadequado para a ópera. Uma pequena escadaria semicircular encimada por colunas e só. Uma visão cênica bem mais apropriada para uma encenação de Salomé. A vila da Sicília onde se passa a estória da ópera nem de longe foi visualizada. Quando o coro entrou com suas vestes novecentista mais pareceu que dois tempos históricos…

Paolo Bonomini e Kirilo Zvyegintsov: piano e violoncelo

Imagem
O duo camerístico formado pelos jovens Paolo Bonomini (cello) e Kirilo Zvyegintsov (piano) apresentaram-se em Belém do Grão-Pará na noite de 25 de outubro de 2012 trazidos à capital paraense pelo Fundação Amazônica de Música para mais uma noitada musical da sua temporada 2012 que até o presente só contou com grandes momentos musicais. Jovens, mas com formação musical sólida, não se intimidaram perante as  exigências digitais dos três compositores incluídos no programa: Mendelssohn, Piatti e César Franck, todos artistas do romantismo musical novecentistas, o que deu à noite uma carga extra de emotividade e lirismo próprios desse estilo musical. O programa foi muito bem organizado, começando com o baixo romantismo de Mendelssohn e terminando com o alto romantismo de Franck tento Piatti no meio com duas peças curtas e encantadores servindo de intermezzo para as duas grandes sonatas contidas no programa.  A sonata de Franck, que os melômanos devem conhecer na sua versão violinística ence…

AUTO DO CÍRIO 2012: A MAIORIDADE

O Auto do Círio 2012 completou 18 anos de tradição dentro da quadra nazarena e sempre realizado na sexta-feita antes do Círio de Nazaré em Belém do Grão-Pará, neste ano levando uma multidão para as ruas do bairro Cidade Velha na capital paraense. Eu participei por vários anos do Auto na década de 1990, sendo que minha última participação foi em 2000, ano que me formei na Escola de Teatro e Dança da UFPA e naquela época o percurso era diferente do atual. Da segunda estação na frente do Museu de Arte Sacra do Pará, íamos para a terceira estação na frente da Igreja de São João para alcançarmos o vão entre o Palácio Antônio Lemos e o Palácio Lauro Sodré; onde acontecia a apoteose. Já há alguns anos o percusso vai do Museu de Arte Sacra diretamente para a apoteose passando ao lado da Praça D. Pedro II onde acontece, agora, a terceira estação, encurtando assim o trajeto que neste ano durou cerca de 3,5 horas para chegar ao fim. Mas como é de costume o samba (a arte da apoteose) dura um pouc…