Encerramento do XXV FIMUPA

     A tradição de unir os músicos no concerto de encerramento do Festival Internacional de Música do Pará iniciou na sua primeira edição em maio de 1988 quando Glória Caputo era a então superintendente da Fundação Carlos Gomes. Pois bem, essa tradição foi mantida por vários anos, mesmo quando Paulo José Campos de Melo assumiu a superintendência da FCG após a saída de Caputo. Passando por vários governadores do Pará e vários secretários estaduais de cultura essa tradição sempre foi mantida e com o crescimento do FIMUPA o concerto de encerramento passou a ser um dos principais momentos dos festivais. Pois essa importantíssima característica do FIMUPA foi ignorada durante o governo de Ana Júlia Carepa e por alguns breves e fatídicos anos a orquestra sinfônica do festival não se apresentou. Mas heis que agora Paulo José está de volta à FCG, Simão Jatene ao governo paraense, acompanhado novamente por Paulo Chaves na SECULT. Ora gente que fez o FIMUPA acontecer de forma grandiosa durante anos não poria deixar o nosso festival descaracterizado como estava, então pô-lo nos eixos era fazer sua estrutura tradicional voltar a ser aplicada; o que aconteceu a partir de 2011.
     Este ano a orquestra sinfônica do festival apresentou-se duas vezes (outra tradição retomada) fazendo um concerto no palco do Teatro da Paz e o derradeiro concerto em um palco montado na frente do teatro. São desse concerto os vídeos a seguir.
     Do programa constaram obras de Puccini, Wagner, Mascagni e Respighi. Dione Colares e Mariana Mihai (sopranos) solaram árias operísticas, enquanto coro e orquestra apresentarem excertos de Tannhäuser e Cavalleria Rusticana. Apesar dos inúmeros burburinhos típicos de uma apresentação ao ar livre o FIMUPA teve um encerramento digno de sua tradição. Parabéns à organização do evento.



Vídeos:



video


video

video


video








Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESSA NEGRA FULÔ: ANÁLISE

FORMA E ESTRUTURA NA ÓPERA: CENA III - ESTRUTURAÇÃO DE UMA ÓPERA

Mozart: Bastião e Bastiana em português e com sotaque paraense