AUTO DO CÍRIO 2014


      Foi-se a época que o Auto do Círio era uma simples reunião de artistas e amadores fazendo um espetáculo de rua em homenagem a Virgem de Nazaré. Há anos com crescente participação de várias pessoas, e agora, com o patrocínio da empresa Vale (antiga Vale do Rio Doce) grandes tablados e um grande palco coberto no final do percurso são a realidade nova do Auto. Melhor para o público que tem melhor visão das apresentações ocorridas nas paradas do percusso chamadas de Estações. Cada Estação tem um espetáculo diferente preparado pelo participantes do Auto. É claro, os textos de cada Estação se referem plenamente ao Círio de Nossa Senhora de Nazaré. A Estação ocorrida este ano em frente ao Instituto Histórico e Geográfico do Pará fez explícita referência a total falta de tato, decência e respeito às tradições paraenses do IBAMA que recomendou que os fogos de artifício que encerram a Quadra Nazarena fossem cancelados, devido a suspeita mortalidade de periquitos que habitam os arredores do Santuário de Nazaré. Foram calorosamente aplaudidos. A tempo: a prefeitura de Belém conseguiu, por ordem judicial, cancelar o efeito suspensivo do IBAMA e uma tradição de mais de 100 anos será mantida. 
      O número de apresentações de grupos parafolclóricos e artistas populares também aumentou este ano: o que deixou o percurso mais longo. A cantora popular paraense, jurunense de coração, e estrela brasileira do Treme (gênero musical popular) Gaby Amarantos encerrou a festa cantando já às 23:30hs no palco do encerramento. Um atraso na preparação do som para que ela cantasse empurrou o final da festa pra perto da meia-noite. Mas o povo que lá ficou certamente não reclamou.




Vídeos:

A Rainha Garça







Marujada

Carimbó 1

Carimbó 2



Carimbó 3:



Indo para a 4ª Estação (Estação Final)



Procissão:





Rock para a Nazaré



Entrada de Gaby Amarantos


Concerto de Gaby (excertos)






Imagens:















Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESSA NEGRA FULÔ: ANÁLISE

FORMA E ESTRUTURA NA ÓPERA: CENA III - ESTRUTURAÇÃO DE UMA ÓPERA

Mozart: Bastião e Bastiana em português e com sotaque paraense