Um Americano em Paris e Blue Monday: Festival de Ópera do Teatro da Paz 2014

     Nas noites de 22 e 23 de agosto de 2014 o Festival de Ópera do Teatro da Paz, mostrou mais uma vez que não é um festival completamente operístico apresentando outros gêneros na sua programação. Desta vez foi o poema sinfônico Um Americano em Paris do estadunidense George Gershiwn e sua operetta (mais para musical) Blue Monday. Curtíssima; mais parecendo uma parente distante das veristas óperas italianas da época de sua composição, isto é, 1922.
     Composto em 1928 comissionado pelo regente Walter Damrosch,e usado na sequência de balé do filme Um Americano em Paris de Vicente Minelli, nomeado no Brasil como Sinfonia de Paris, o poema sinfônico descreve as impressões de Gershwin, como um estrangeiro, da capital francesa. Coreografado por Gene Kelly, o balé foi estrelado por ele e a atriz francesa Leslie Caron no filme de Minelli em uma extensa e elaborada sequência de dança ao custo total de US$500.000,00!
       Aqui em Belém os custos totais ficaram bem abaixo disso com certeza, mas o resultado final foi um belo espetáculo de dança, a altura da partitura de Gershwin, mas com a reserva ao nível técnico dos bailarinos abaixo do nível regular. No fim das contas essa produção se não foi totalmente alto nível, pelo menos fez uma boa figura; pela iluminação e, sobretudo, pela muito boa execução da Orquestra Jovem Vale Música e da direção lírica e segura de Miguel Campos Neto.
       A operata Blue Monday, com seu enredo e construção veristas, fechou a noite em grande estilo. Esse sim, o principal espetáculo da noite. Se o Americano em Paris não teve os bailarinos alto nível, na ópera não faltou qualidade internacional, sobretudo, da dupla de protagonistas. Vozes lindas e bem treinadas. Belo fraseado e artistas de alto nível vocal e cênico fizeram desse um espetáculo diferenciado na história do nosso Festival.
       Formado somente por artistas negros, a encenação deu gosto de se ver. A música de Gershwin, claramente baseada no jazz, é tão estadunidense que podemos considerá-la de cunho nacionalista. Essa é uma encenação que será esquecida, certamente, como é de praxe no Festival de Ópera, mas deveria ser guardada para novas apresentações serem feitas nos anos seguintes. Mas como o Festival lida somente com encenações novas todos os anos certamente não a veremos ao vivo novamente. Somente pelo DVD que será lançado pela SECULT-PA futuramente.
     
       
Equipes técnicas:

UM AMERICANO EM PARIS

Direção Musical e Regência: Miguel Campos Neto
Direção e Coreografia: Kika Sampaio
Assistente de Coreografia: Bárbara Guerra
Figurinos: Hélio Alvarez
Visagismo: André Ramos
Supervisão Artística: Gilberto Chaves e Mauro Wrona
Elenco: Tutu Morasi (bailarino) Americano, Bárbara Guerra (bailarina solista)
Cia. de Dança Ana Unger: (parisienses) Alcides Junior, Carlos Férrer, Eduarda Falesi, Gilza Miranda, Letícia Lobo, Lohana Carneiro, Marlus Estumano, Paulo César Moraes.
Direção de Palco: Cláudio Bastos

Vídeos:

Um Americano em Paris (excerto)


Porgy e Bess (excertos)









Imagens:

Um americano em Paris:





 Blue Monday:














Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESSA NEGRA FULÔ: ANÁLISE

FORMA E ESTRUTURA NA ÓPERA: CENA III - ESTRUTURAÇÃO DE UMA ÓPERA

Mozart: Bastião e Bastiana em português e com sotaque paraense