domingo, 26 de abril de 2015

OJVM TOCA CHAMINADE, HAYDN E TCHAIKOVSKY

     No início da noite de 01 de março de 2015 a Orquestra Jovem Vale Música deu mais um de seus concertos pela série Sons da Amazônia IV no seu QG, ou seja, a Sala Augusto Meira Filho. Dessa vez quem participou como solista foi o flautista Ayron Yves Barata ex-aluno da Fundação Carlos Gomes e da Fundação Amazônica de Música e atualmente integra a OJVM.  
     Ayron é mais um dos alunos formados pela Fundação Amazônica de Música comprovando que a FAM continua na sua boa empreitada na tarefa de formar bons músicos eruditos no Grão-Pará e de, mais importante, dar-lhes as oportunidades necessárias para eles se tornarem os músicos eruditos profissionais que tanto precisamos.
    A orquestra teve mais uma boa performance, mais infelizmente, o Haydn puxou o conceito da noite para baixo devido a fraca leitura da Sinfonia nº. 88, sobretudo das cordas, e dos braços de Miguel; que já mostraram antes, não serem bons no repertório clássico. Falta-lhe aquela paixão e pulso firme apresentados nas leituras de partituras românticas como a bombástica interpretação da abertura-fantasia Romeu e Julieta de Pedro Tchaikovsky que fechou com chave de brilhantes a noite numa interpretação pra lá de vibrante tanto do regente quanto da orquestra.
      O Concertino para flauta e orquestra OP. 107 de Cecília Chaminade foi uma espécie de interlúdio do concerto, tanto pela sua posição quanto pela lírica e melodiosa música de Chaminade, uma grande surpresa, pois há décadas as obras de Chaminade não são frequentes nos programas de concerto de qualquer lugar. Ótima inclusão no programa. Mas o grande momento da noite foi mesmo o Tchaikovsky, sem ele o concerto teria sido todo morno, mas a violência lírica do compositor russo deixou a noite acabar em grande estilo.

Programa:

José Haydn (1732-1809) Sinfonia nº. 88 em G maior
Adagio - Allegro
Largo
Menuetto - Allegretto
Finale - Allegro con spirito

Cecília Chaminade (1857-1944)
Concertino para flauta e orquestra em D maior Op. 107

Pedro Ilitch Tchaikovsky (1840-1893)
Abertura-Fantasia Romeu e Julieta

Vídeos:

Chaminade (1857- 1944): Concertino para flauta (excerto)


video

José Haydn (1732-1809): Sinfonia nº. 88 em G maior

1º. movimento: Adagio - Allegro


video


Informações do Programa:

MIGUEL CAMPOS NETO - Maestro

     A crítica especializada considera Campos Neto um maestro que "dá ritmo teatral e fluencia ao espetaculo e sabe recriar a linguagem musical especifica dos personagens principais" (João Luiz Sampaio, ESTADÃO, SP) e que demonstra "sua segurança e autoridade musical empenhando-se totalmente à frente da Orquestra Sinfonica do Theatro da Paz" (Marco Antonio Seta, Ópera e Ballet). Em SALOMÉ, "Campos Neto soube conduzir o espetáculo com propriedade e sempre atento ao discurso dramatico" (Nelson Rubens Kunze, revista CONCERTO).  A critica internacional também elogiou sua atuação quando a revista italiana L'Opera publicou que "regida por Miguel Campos Neto, (a OSTP) mostrou afinidade com a música Straussiana, da qual exaltou a massa sonora vigorosa e a nuance, mantendo sempre o equilíbrio entre as vozes e o volume orquestral." (Norberto Modena).
   Atualmente regente titular da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz, do Festival de Ópera do Theatro da Paz, da Orquestra Jovem Vale Música, da Orquestra Sinfônica Altino Pimenta (UFPA), Campos Neto também atuou cinco anos como Regente Titular e Diretor Artístico da Chelsea Symphony de Nova York e como regente assistente do maestro Luiz Fernando Malheiro na Amazonas Filarmônica e no Festival Amazonas de Ópera (Manaus). como maestro convidado já regeu a Orquestra Sinfônica de Puerto Rico, a Orquestra Sinfonia Municipal de Campinas, a Orquestra Sinfonica do Theatro São Pedro (SP), os Solistas de Câmara da Universidade de Missouri (EUA) e a Orquestra de Câmara do Amazonas. Em 2014 regeu como convidado pela primeira vez no continente europeu, quando liderou a orquestra da Academia Franz Liszt na Grande Sala da Academia, em Budapeste, Hungria.
    Durante turnês nacionais ele regeu em alguns dos mais importantes teatros do Brasil:Sala Leopoldo Miguez e Teatro Municipal (RJ), Teatro Nacional Claudio Santoro (Brasília), Palácio das Artes (Belo Horizonte), Teatro Ibirapuera (SP), Teatro Santa Izabel (Recife), Teatro Arthur Azevedo (São Luiz) e Teatro José de Alencar (Fortaleza).
     Miguel Campos Neto possui diploma de mestrado em Regência Orquestral, obtido na Mannes College of Music de Nova York. Seus mentores foram David Hayes, Edward Dolbashian, e Joseph Colaneri (regência operística). Ele já regeu concertos em grandes solistas como o pianista Nelson Freire, Antonio Meneses (cello), Robert Bonfiglio (harmônica) e Emanuelle Baldini (violino).


AYRON YVES BARATA - Flauta

     Aos 14 anos, começou seu aprenzizado musical no Projeto de Interiorização da Fundação Carlos Gomes, e um ano depois, iniciou seus estudos na Flauta Transversal. Em 2009, ingressou no Projeto VALE MÚSICA, na classe do professor Jonathan Miranda.
     Durante este período, participou de diversos Master Classes com os professores Maurício Freire (Brasil), Renato Axeruld (Brasil), Sérgio Barrenechea (Brasil), Ismael Reys (Colombia), Quarteto Pé de Si (Brasil), Carola Ligt (Holanda), Elena Cecconi (Itália), Brad Garner (USA) e Jim Lyman (Inglaterra).
     Em 2010 integrou o elenco musical da ópera "O Viajante das Lendas Amazônicas" e passou a compor o naipe de flautas da Orquestra Jovem Vale Música, sob a regencia do maestro Miguel Campos Neto, onde atualmente ocupa a 1ª estante.
     Como músico da OJVM tem se apresentado em diversas cidades brasileiras, em importantes teatros nacionais, tais como: Palácio da Artes (Belo Horizonte-MG), Teatro Nacional Cláudio Santoro (Brasília-DF), Teatro Ibirapuera (São Paulo-SP), Theatro Amazonas (Manaus-AM), Teatro José Alencar (Fortaleza-CE), Teatro Arthur Azevedo (São Luís-MA), Teatro Santa Isabel (Recife-PE), tendo também participado de concertos com os maestros Jooyong Ahn (Coréia do Sul), Wlater Michael Vollhardt (Alemanha)Itália) e com renomados artistas, tais como: David Spencer (USA), , Phillipe Forget (França), Jamil Maluf (Brasil) e Gianluigi Zampieri (Itália) e com renomados artistas, tais como: David Spencer (USA), Antônio Meneses (Brasil), David Martins (Brasil), Nadja Nogueira (Brasil), Renata Tavernard (Brasil), Reginaldo Pinheiro (Brasil), Marília Caputo (Brasil), Atalla Ayan (Brasil), Emmanuele Baldini (Itália), Nelson Freire (Brasil).
     Em novembro de 2011, participou como músico do X Festival de Ópera da Amazônia, onde se apresentou em diversos concertos.
   Em março de 2012, foi 2º Lugar (naipe das madeiras) no Concurso JOVENS SOLISTAS, promovido pela Fundação Amazônica de Música. Em junho de 2012, tocou com a Orquestra Jovem Vale Música, no Theatro da Paz, onde fez sua primeira apresentação como solista. Em agosto de 2012, solou sob a regência do maestro alemão Walter Michael Vollhardt, a peça Oblívio de Piazzolla, em concerto da Orquestra Jovem Vale Música - OJVM, realizado na Sala Augusto Meira Filho. Em outubro do mesmo ano participou do Festival FLAUTAS GERAIS II, na cidade de São João del Rey (MG), onde teve aulas com os renomados flautistas Daniel de la Savia (Brasil), Lauren Panfili (Estados Unidos) e Raffaele Trevisani (Itália). Em outubro e novembro do mesmo ano, integrou a orquestra do XI Festival de Ópera do Theatro da Paz (Belém-PA), nas Óperas "Cavalleria Rusticana", de Pietro Mascagni, "Joao e Maria", de Engelbert Humperdinck e "Salomé", de R. Strauss.
     Em agosto de 2013, participou do XII Festival de Ópera do Theatro da Paz (Belém-PA), onde integrou a orquestra da ópera "Elixir do Amor", de Donizetti, recebida pelo público e pela crítica com muitos elogios. Ainda em 2013, em outubro, foi convidado a participar da Orquestra do Concerto Comemorativo aos 100 anos da imortal obra de I. Stravinsky, "A Sagração da Primavera", realizado no Theatro da Paz.
     Em novembro de 2013, integrou a Orquestra do Festival Villa-Lobos, formada por músicos do Brasil e da Venezuela, em concerto realizado na Sala Rios Reyna (Caracas-Venezuela), sob a regência do maestro Dietrich Paredes.
     Atualmente é integrante da Orquestra Jovem Vale Música - OJVM e da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz.

Nenhum comentário:

Postar um comentário