Orquestra Sinfônica Carlos Gomes e Adriane Queiroz: XXVIII FIMUPA

   O concerto da Orquestra Sinfônica Carlos Gomes, regida pelos brasileiros Matias Volkman e Ronaldo Sarmanho aconteceu na noite 08 de junho de 2015 durante a programação do XXVIII Festival Internacional de Música do Pará. Uma coisa que já se tornou tradicional nos últimos anos do FIMUPA é Paulo José Campos de Melo, o atual superintendente da Fundação Carlos Gomes, agradecendo ao governo do estado do Pará, em especial ao governador Simão Jatene, por não ter deixado o Festival morrer e muito menos perder sua estrutura e características históricas. Bem, esse discurso já é figurinha repetida e essa choradeira já se tornou repetitiva e, por isso, incômoda. Vira o disco Paulo!.
     Quanto ao concerto em si, em algumas peças, foi tocada nesse clima de lamentação devido ao caráter das referidas obras, sobretudo as operísticas. Porem essas, com uma choradeira bem mais agradável que aquela acima citada. Com a presença de Adriane Queiroz, com uma voz mais encorpada e madura,   privilegiou a ópera. e uma presença de palco típica daqueles que têm o palco como uma extensão de si, o programa privilegiou a ópera; indo de Bizet a Carlos Gomes, passando por Verdi e Chiquinha Gonzaga, que não é operística mas escreveu duas valsas dedicadas a Carlos Gomes.
     

VÍDEOS
Chiquinha Gonzaga (1847-1875)         Duas Valsas para Carlos Gomes
(arranjo de Paulo Aragão)                    Saudade
                                                              Carlos Gomes
Regente: Ronaldo Sarmanho




Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) Abertura de D. Giovanni
Regente: Matias Volkman



Don Giovanni, recitativo e ária de Dona Elvira: In quali eccesi, o Numi...Mi tradi quell'alma ingrata




Idomeneo, recitativo e ária de Elettra: Oh smania!... D'Oreste, d'Aiace




Giuseppe Verdi (1813-1901)
La Traviata - Prelúdio
Regente: Matias Volkman



Antônio Carlos Gomes (1836-1896) 
Adriane Queiroz: soprano
Matias Volkman: regente

Come serenamente, ária de Ilara da ópera Lo Schiavo


A qual sorte serbata son io, ária de Delia da ópera Fosca


INFORMAÇÕES DO PROGRAMA:

Adriane Queiroz

    Radicada na Europa há mais de uma década, integra o ensemble solista da Ópera de Berlim Staatsoper. Iniciou seus estudos com Marina Monarcha, no SAM, e Malina Mineva no Conservatório Carlos Gomes. Entrou na Universidade Vienense de Artes, onde se diplomou na classe do Professor Walter Moore na categoria de Lied e oratório e ópera na classe de Helga Wagner. Nesse período cantou n Volksoper de Viena papeis nas produções De la Mancha, Flauta Magica e Elisir d'amore. Cantou com a Filarmônica de Berlim a oitava sinfonia de Mahler com Pierre Boulez, gravando assim para a Grammophone alemã. Em seu repertório operístico encontramos Mozart (As Bodas de Fígaro, A Flauta Mágica, Cosi fan tutte, Don Giovanni) e os românticos Puccini e Bizet, em Turandot (Liu) e Carmen (Michaela) entre outros. No ano Mozart cantou na produção de Keith Warner no Theater an der Wien, sua Zerlina recebeu ótimas críticas no New York Times. Cantou Rosalinde, na operetta O Morcego em Stuttgart em 2010 e na Semperoper Dresden, como convidada, já há 3 anos consecutivos. Em 2012 fez seu debut com Traviata no Teatro Municipal de São Paulo. No âmbito concertista, cantou em São Petersburgo, no festival de Concertos no verão cantando Strauss (as quatro últimas canções) e em Moscou com Semion Skigin repertório brasileiro e americano. Em 2014, debutou em Baden Baden cantando a nona de Beethoven. Gravando em 2011 o CD Sons do Mundo, com canções de Camargo Guarnieri e Francisco Mignone. Em 2013, sua participação na opereta de Millörk, Der Bettelstudent, em Mörbisch, foi registrada em CD pela Oehms Classics. Em 2014, se apresentou no Falstaff, em São Paulo, em Mefistofele, de Boito, no Festival de Ópera em Belém, e cantou as Quatro Últimas Canções, de Strauss, com a Filarmônica de Minas Gerais. No momento tem o acompanhamento da Kammersaegerin Brigitte Eisenfeld.

RONALDO SARMANHO
Natural de Lavras/MG, Sarmanho é vencedor de dois concursos Dóris Azevedo (2005/06) e do Missouri Music Teatchers Association (2011). Começou seus estudos de violino aos 11 anos com o Prof. Paulo Keuffer na EMUFPA. A convite do famoso oboísta Alex Klein, foi membro da YOA (Orquestra Jovem das Américas) na turnê 2008 que teve Carlos Miguel Prieto e Marcello Lehninger como regentes; Nelson Freire e Antonio Meneses como solistas. No mesmo ano, participou no Festival Oferenda Musical em São Paulo, no qual executou diversas obras de câmara com Ricardo Ballestero, Daniel Guedes, Gabriela Queiroz, Emerson di Biaggi, Nigel Shore, entre outros. Cursou e concluiu o Bacharelado em Música da UEPA na classe do Prof. Rucker Bezerra em 2010 e, no mesmo ano, foi para os EUA, país no qual concluiu, em 2013, mestrado em violino e regência orquestral. Nesse mesmo ano, iniciou suas atividades como regente à frente da University Philharmonic em Columbia, MO e da Orquestra Filarmonica de Goias, em uma temporada ofertada a jovens regentes selecionados em todo o Brasil e, desde então, desenvolve intensa atividade pedagógica na Fundação Amazônica de Música, dando aulas e coordenando a Orquestra de Violinos da mesma instituição. A convite da Fundação Carlos Gomes, passou a integrar o quadro docente do Instituto de Ensino Carlos Gomes como diretor musical do Ópera Estúdio e professor de matérias teóricas e práticas do nível superior de ensino. Neste ano, foi convidado para assumir a regência da Orquestra Sinfônica Carlos Gomes e iniciar o processo de institucionalização deste corpo orquestral.

TOBIAS VOLKMANN
Desde a conquista dos principais prêmios no Concurso Internacional de Regência Jorma Panula 2012 na Finlândia e do prêmio de público no Festival Musical Olympus de São Petersburgo em 2013, Tobias Volkmann vem construindo interessante carreira internacional e surge como um dos principais nomes da nova geração de regentes brasileiros. Como regente convidado, já esteve à frente de grandes orquestras europeias e sul-americanas, entre as quais se destacam a Orquestra Sinfônica do Porto, Orquestra Sinfônica Estatal do Museu Hermitage e Orquestra Sinfônica Estatal de São Petersburgo, Sinfônica de Brandemburgo, Orquestra Sinfônica do Chile, Orquestra Sinfônica da UNCuyo Mendoza e Orquestra Petrobras Sinfônica. No Brasil, esteve ainda à frente da Filarmônica de Minas Gerais, Orquestra Sinfônica de Porto Alegre, Sinfônica de Campinas e dirigiu produções de ballet do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, onde atuou como maestro assistente. Apresentou-se em grandes salas com a histórica Capela Acadêmica de São Petersburgo e a moderna Casa da Música do Porto. 2015 marca sua estreia na célebre Gewandhaus de Leipzig como convidado da temporada oficial do Coro e Orquestra da Rádio MDR.

ORQUESTRA SINFÔNICA CARLOS GOMES

A Orquestra Sinfônica Carlos Gomes é fruto do processo de institucionalização do ensino de prática orquestral voltado aos alunos do curso técnico e do bacharelado do IECG. Tendo como embrião a Orquestra Jovem da Fundação Carlos Gomes, grupo que já teve Lícia Arantes, Jonas Arraes, Alessandra Castro, Joel Costa, Marcus Guedes e Rodrigo Santana à sua frente, este novo corpo orquestral surge no momento em que se comemoram os 120 anos do Conservatório Carlos Gomes, atual Instituto Estadual Carlos Gomes. A OSCG passa a oferecer aos alunos uma maior possibilidade de desenvolvimento artístico na prática orquestral, com estímulo às habilidades técnicas e musicais, e se coloca como fundamental dentro da disciplina dos Grandes Grupos Instrumentistas, que é parte do currículo do curso superior de música do IECG. O principal objetivo da OSCG é o aprimoramento do aluno dentro de um ambiente artístico, fortemente vinculado ao processo acadêmico, além de promover a prática orquestral realizada pelo IECG. Já em sua concepção, existem vários projetos de interdisciplinariedade e atuação com os diversos grupos artísticos em atuação hoje na Fundação Carlos Gomes e IECG. Tais projetos visam estimular a produção artística dos alunos também no âmbito individual. Em seu concerto de estreia, um grande desafio se apresenta com a programação no XXVIII Festival Internacional de Música do Pará - FIMUPA, e que contará com os convidados de estatura internacional, o regente Tobias Volkmann, e o soprano paraense Adriane Queiroz, atualmente na Ópera Estatal de Berlim.

Integrantes da OSCG

Violinos I: Iossif Grinman (spalla), Sonja van Beek (Concertino), Simone dos Santos, Helena Vidal, Marcus Guedes, Luis Oliveira, Ronaldo Sarmanho, Hans Magno, Renan Cardoso, Feliphe Bruno;
Violinos II: Michael Rein (spalla 2ºs), Gilles Donge, (Concertino), Ayslani Edifrance, Rosângela Ferreira, Carolina Marritt, Maria Izabel Veiga, Camila Guimarães, Sara Moraes.
Viola: Mentje de Roest (Spalla violas), Haroldo Correa, Jennifer Oliveira.



Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESSA NEGRA FULÔ: ANÁLISE

FORMA E ESTRUTURA NA ÓPERA: CENA III - ESTRUTURAÇÃO DE UMA ÓPERA

Mozart: Bastião e Bastiana em português e com sotaque paraense