Memórias Ribeirinhas: Um olhar além do rio

 Fim de ano tem vários eventos e muitas famílias que têm filhos em alguma escola que costuma fazer apresentações de final de ano, sobretudo as artísticas, têm um evento obrigatório: a apresentação deles em algum teatro da cidade ou outro local. Pois bem, como minha irmã é professora na Escola Municipal de Dança de Belém, capital paraense, e há vários anos a instituição costuma seguir a tradição de fechar o ano letivo com uma mega apresentação teatral.
     Neste ano de 2016 novamente a apresentação se deu no Theatro da Paz. Incluindo todos os seguimentos trabalhados na escola, pois como escola inclusiva atende deste meninas na primeira idade até senhoras sexagenárias e deficientes físicos e mentais, como cadeirantes; que este ano também participaram da apresentação.
    Como escola inclusiva e não técnica, não dá para fazer uma crítica com se estivesse assistindo uma récita da Cisne Negro ou da Bolshoi. Como escola inclusiva, deu para ver que os seus professores fazem um trabalho com paixão e entrega. Coisa rara na educação deste país, onde o trabalho jogado, infelizmente, se tornou o corriqueiro. Afinal, é o tipo de trabalho que os próprios alunos desejam.
    Mas a Escola Municipal de Dança de Belém superou o trabalho apresentado no ano passado, dando-nos este ano um espetáculo bem mais variado que o Chapleando de 2015.
   O foco foram os rios que circundam e avançam sobre a capital paraense e que são tratados, por todos, com um desprezo ambiental de dar dó naqueles ecologicamente corretos e que tanto prejudica a cidade e sua qualidade de vida. Afinal, água é vida bem sabem aqueles que vivem nos desertos ou no agreste brasileiro. Como aqui há uma abundância de água, há aquela incômoda sensação, ou crença, de que nossa água é eterna: inverdade absoluta e que o povo belenense precisa se conscientizar.
   Musicalmente, o espetáculo foi recheado de música popular paraense o que. lógico, deixou o espetáculo bem mais familiar aos nossos ouvidos. Até mesmo daqueles que não são fãs da nossa música.
    Coreografia inventiva, música agradável, iluminação bem preparada, cenários e figurinos bem pensados. No final, foi um bonito espetáculo.


Vídeo:







Imagens:






















Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

ESSA NEGRA FULÔ: ANÁLISE

FORMA E ESTRUTURA NA ÓPERA: CENA III - ESTRUTURAÇÃO DE UMA ÓPERA

Mozart: Bastião e Bastiana em português e com sotaque paraense