sábado, 13 de outubro de 2018

AUTO DO CÍRIO 2018: MARIA - DIVERSIDADE DO AMOR

      É claro que um cortejo secular com uma trupe enorme de atores fantasiados celebrando com cantos seculares uma santa católica não é algo convencional. Pois bem, tradição da cultura paraense e evento obrigatório no calendário cultural da capital paraense há mais de 20 anos o Auto do Círio, promovido pela Universidade Federal do Pará, através do Instituto de Ciências e Artes e da Escola de Teatro e Dança da UFPA levou às ruas do bairro da Cidade Velha na noite de 12 de outubro o referido cortejo secular com atores fantasiados de diversos tipos.
         Devido ao momento político vivido pelos brasileiros neste outubro de eleição presidencial e, também, devido a ameaça nazi-fascista que se avizinha à combalida democracia brasileira, claro, houve muita manifestação política durante o cortejo e gritos de Ele não foram ouvidos em vários momentos durante o cortejo. Até os poemas e texto declamados durante o auto foram todos voltados para verbalizar o não à xenofobia, violência, discriminações de todos os tipos e o particular ódio dos autocratas brasileiros a tudo e todos aqueles que são contrários as suas verdades tortas e ódio incontido ao que lhe é diferente e "anormal". Além de uma celebração à Virgem de Nazaré, à padroeira dos paraenses, à quadra nazarena, o Auto do Círio de 2018 foi um amplo manifesto à democracia, à tolerância, ao amor. Lindo de se ver e de ouvir. 
































































Coro Carlos Gomes na Semana de Arte 2019 da Nova Acrópole

    A maestrina cubana Maria Antonia Jiménez agradecendo  a participação do público no concerto do Coro Carlos Gomes      Entre ...